Category: Jóias da Literatura


Jóias da Literatura 003

 
O mais perfeito dos sons humanos é a palavra.
A poesia é a forma mais perfeita da palavra.

Han Yu (768-824)
 
 
Amanhã

Amanhã fico triste,
Amanhã.
Hoje não.
Hoje fico alegre.
E todos os dias,
por mais amargos que sejam,
Eu digo:
Amanhã fico triste
Hoje não.


Autor anónimo.
Poema encontrado na parede de um dos dormitórios de crianças do campo de extermínio nazi de Auschwitz.
 
E pensar que não foi assim à tanto tempo… 
Flor®
 
 
Anúncios

Jóias da Literatura 002

 

Senhor

Fazei de mim um instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre,
Fazei que eu procure mais consolar, que ser consolado;
compreender que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna.

(Francisco de Assis )

 

Flor®

 

 
Imagem de Iman Maleki
 
 
O Prazer de ler

Descobri que a leitura é uma forma servil de sonhar.
Se tenho de sonhar, porque não sonhar os meus próprios sonhos?

(Fernando Pessoa)

 
 
 
 

Imagem de Iman Maleki
 

 
Sê paciente

Sê paciente;
espera que a palavra amadureça
e se desprenda como um fruto
ao passar o vento que a mereça

(Eugénio de Andrade)

 
 
 
 
Imagem de Iman Maleki
 
Não sei
 
 
Não sei quando virá o amanhecer,
por isso
abro todas as portas

(Emily Dickinson)

 

 

A flor mais humilde

Voltarei.
À tarde, quando os sinos percutem no aço das calçadas
e o vento sul carrega seus ocos cilindros
os cavos ecos dum passado de armadilhas,
de esporas e de espadas.
Voltarei, ao crepúsculo.

Entrarei no templo e deixarei
nos claustros da noite
uma rosa tecida
de orvalho e de sangue.
Uma rosa de cinza e esquecimento.
Ou talvez um lírio, a flor
mais humilde adormecida
numa tela de Grão Vasco.

(Albano Martins)

 
 

Flor®